27 de jul de 2014

Dicas e informações para escolher uma guitarra - Principais tipos e suas partes (braços, corpos, captadores, madeiras e pontes)

Você decidiu pegar uma guitarra e aprender a tocar como seu guitarrista favorito. Dominar o instrumento não é tarefa fácil, mas antes mesmo de começar a tocar você provavelmente se encontrará pesquisando na internet o instrumento adequado. É difícil escolher. Há uma extensa lista de componentes a serem levados em conta: estilos de corpo, tipos de madeira, captadores, pontes, braços e isso é apenas o começo. Veremos a seguir algumas informações sobre os principais tipos de guitarras e suas partes, que certamente ajudarão a escolher a guitarra ideal para sua necessidade.

Tipos de corpo

Existem três categorias principais de guitarra, tudo com base no tipo de corpo: sólido (Solid Body), acústico (Hollow Body) e semi acústico (Semi Hollow Body). Estas distinções tem impactos sobre a forma como o instrumento soará. Embora todos estes tipos tenham potencial para ser utilizado para qualquer tipo de som, alguns são mais adequados para gêneros específicos.




Corpo sólido

É em grande parte o tipo de corpo mais comum e inclui dois dos modelos mais emblemáticos de todos os tempos, como Les Paul, Telecaster e Stratocaster. Guitarras de corpo sólido são capazes de reproduzir ampla gama de sons. Este tipo de corpo é muito bem adaptado ao rock e suas vertentes, mas se você realmente não tem certeza que tipo de som que você quer tocar, tem poucas chances de errar ao escolher um modelo de corpo sólido.

Stratocaster

Corpo oco (Guitarra acústica)

O projeto inicial da guitarra elétrica foi uma acústica. É completamente oca por dentro, como um violão. Guitarras acústicas (como a Gibson ES-150) foram usadas em conjuntos de Jazz por músicos como Eddie Durham e Charlie Christian, mas também foram aprovadas para o Folk e eventualmente para o Rock. Se você está procurando sons limpos e encorpados a guitarra acústica é a melhor opção. Isso não quer dizer que não possa usar algum drive. Guitarras de corpo oco são mais propensas ao feedback.

Gibson ES 150

Corpo semi-oco (Semi-acústica)

É um meio termo entre guitarras de corpo oco (acústica) e sólido. Apresenta um bloco sólido de madeira que atravessa o centro do corpo, conseguindo aumento de sustain e redução de feedback, mantendo os tons de um modelo de corpo oco. Por esses motivos as guitarras semi-acústicas se tornaram extremamente popular entre músicos de Blues e Rock 'n' Roll como Chuck Berry, Freddie King e B.B. King.

Gibson ES 335

Principais madeiras e influência no som

A madeira utilizada na construção da guitarra influencia muito na qualidade do som (timbre). Existem madeiras de baixa e de alta qualidade, por isso, comprar uma guitarra de gama baixa sem antes testar é uma loteria, estando sujeito à possibilidade de que sua guitarra revele-se muito mais do que se espera ou vice-versa (muitos dizem que modelos de baixa gama as vezes soam melhor do que muitas guitarras de alta gama ou até mesmo que algumas guitarras de alta gama "não tem som de nada"). Entre os principais tipos de madeira podemos destacar:

Mogno

É uma madeira de qualidade, especialmente o conhecido como "mogno hondurenho". O fato é que nas guitarras atuais, geralmente utiliza-se mogno de qualidade média / baixa, com exceção de guitarras top de linha. Ainda assim, marcas de prestígio costumam usar mogno de qualidade intermediária, o que garante um som encorpado, com peso e com profusão dos graves. Geralmente funciona bem com captadores humbucker, pelo tipo de corpo e ressonância que esta madeira dá ao som. Em contrapartida, o equilíbrio é menor nos agudos (menos gritantes). Talvez seja a madeira mais comum para estilos como o hard rock e metal.

 Ash

Amplamente utilizado para Stratocasters e Telecasters, esta madeira apresenta uma gama de ressonância muito inconstante. Podemos encontrar tipos de ash com forte ressonância de médios (muito típico das telecasters e stratos) ou com mais densidade de graves. Ash de baixa qualidade pode soar excessivamente brilhante e mal definida enquanto a de alta qualidade tem forte presença de agudos, tornando-a ideal para southern rock, blues ou country. 

Alder

Esta madeira é um "terreno mais seguro" porque com poucas exceções (alder de alta qualidade), não é uma madeira cara e geralmente uma guitarra de baixa gama com corpo de alder apresenta a mesma ressonância que uma guitarra de gama alta. Pode-se dizer que a preços mais baixos, alder geralmente respondem melhor do que ash. Também usada em Stratos, Teles e Super Stratos, apresentam som forte, claro, encorpado com excelentes graves e quantidade razoável de sustain. 

Walnut

Madeira pouco utilizada apesar de seu preço acessível e boa qualidade. Tem sido utilizada no corpo de guitarras Kramer Baretta (um dos modelos mais utilizados por Van Halen). Apresenta bom equilíbrio entre graves e agudos, além de não soar tão "abafado" como o mogno. Apresenta brilho, graves nítidos e menos "fino" que num corpo de ash ou alder. Talvez não seja tão utilizada por causa dos padrões com que se iniciou a construção da guitarra elétrica, que com mais frequência utilizava-se maple, alder e ash. Um ponto negativo é que esta madeira é muito semelhante ao couro, apresentando muitos nós, muitas vezes exigindo muito trabalho na hora de construir o instrumento. 

Laminated Maple

O maple laminado é uma madeira clássica em guitarras semi-acústicas e utilizada em guitarras para jazz. Gibson ES-335 e Epiphone Broadway são bons exemplos de guitarras com Maple "laminado". Esta madeira normalmente aliada a captadores de elementos cerâmicos são responsáveis ​​pela realização de um som "profundo e puro". 

Flamed Maple

Esta madeira é muito usada na construção de braços, mas neste caso, temos uma exceção. Raramente usadas em guitarras de gama média / baixa devido ao preço e elaboração. Não é uma madeira de alta densidade, por isso temos uma abundância em agudos. O problema é semelhante ao do ash, apresentando ressonância inconstante. Por isso não é aconselhável comprar uma guitarra de flamed maple "às cegas", sem testar. Obviamente, por seu som agudo e semelhante ao alder, é ideal para country, blues, modelos telecasters ou stratos e pouco adequada para estilos com forte presença de graves. É muito comum uma guitarra que apresente corpo em mogno, utilize tampo em flamed maple para adicionar agudos extras. 

Koa

É praticamente impossível encontrar guitarras em Koa de qualidade em gamas baixa e média. Por isso não vamos falar muito sobre essa madeira. É semelhante ao mogno, com a variação na versão flamed. No caso de se deparar com uma guitarra com corpo em Koa de gama baixo / médio, é aconselhável testá-la porque tem grandes chances de ser Koa de baixa qualidade ou com defeito. 

Basswood

Colocada em "moda" pela Ibanez em modelos como Jem (basswood ou alder) e Destroyer, populares nos anos 80. A diferença entre basswood e alder é que o basswood tem melhor equilíbrio de graves, mais médios, e menos agudos. Assim, uma ibanez com esta madeira apresenta mais peso e um tom com mais médio-grave que uma guitarra de alder da mesma marca. Apresenta também uma maior presença de harmônicos agudos e ressonantes. O basswood tende a ter qualidade intermediária e é usado na música moderna (rock instrumental, shred, hard rock...) 

Considerações

Como foi possível observar, é conveniente considerar o tipo de madeira que você quer com base no som e estilo que vai tocar. Não faz sentido uma guitarra de laminated maple para metal, uma guitarra de mogno ou walnut para country ou bluegrass. Além disso, se você vai comprar uma guitarra de Maple ou Koa, é desejável testar a guitarra ou ter ajuda de alguém com experiência. Há madeiras em que você pode ter a chance de comprar "no escuro", como o alder, walnut ou até mesmo o basswood, por apresentarem regularmente boa qualidade.

Tipos de braços

O braço da guitarra é algo que muitas vezes as pessoas não dão a devida atenção. Muitos acreditam que há pouca diferença entre eles, o que é completamente errado. Na verdade, o braço pode alterar essas questões cruciais como o sustain da guitarra (veremos mais à frente o que é sustain), conforto e velocidade ao tocar, ou até mesmo o timbre da guitarra. Indo além, pode tendenciar mais para um estilo do que outro. Vamos agora analisar estas diferenças.

Curvatura e radio do braço

Este elemento é mais importante do que se possa pensar. O radio afeta diretamente a altura das cordas. Assim, um tipo de rádio vintage (Fender Classic) funciona melhor e é mais confortável com ação das cordas mais alta, enquanto um braço com um radio menor é melhor para estilos com base na velocidade e se adapta melhor com a ação mais baixa das cordas.

Radio do braço

Utilizar um tipo de braço pode determinar a maneira de tocar (pode influenciar no controle de vibrato) mas depende muito das mãos de cada guitarrista. Por exemplo, um braço tipo wizard (muito estreito) funciona bem em mãos pequenas e pode ser prejudicial para alguém com mãos grandes ou dedos largos, uma vez que complicará muito tocar sem "esbarrar" os dedos uns com os outros ou até mesmo em outras cordas.

Fino, plano e rápido. Braço Wizard da Ibanez 

Após os anos 60-70 foram lançados braços híbridos, em forma de V, que combina a forma tradicional com os mais estreitos, tendo mais "caída" do que o normal e funcionando bem em altas velocidades ou em técnicas expressivas sem sacrificar o som.

principais ipos de braços

Um "truque" comum para diferenciar qual braço cai melhor ao seu estilo e tipo de mão é o seguinte: se para você parece mais comodo tocar nos primeiros trastes, sentindo maior desconforto ao tocar nos últimos trastes, você vai precisar de um braço mais fino, enquanto que se você se sente mais confortável nos últimos trastes do que nos primeiros trastes, precisará de uma curva do braço um pouco maior. Não se esqueça que um braço fino com maior curvatura pode ser mais desconfortável do que um braço mais grosso com a curvatura menor. 

Madeiras utilizadas na contrução de braços

Veremos à seguir as principais madeiras utilizadas na construção de braços e logo após as utilizadas nas escalas.

Maple

É talvez a mais "clássica", estabelecida no reinado de Fender por muitos anos. Trata-se de uma madeira de coloração mais clara, que não sofre muito com a mudança climática, potencializa ainda mais as qualidades naturais do corpo da guitarra ao invés de alterar a ressonância, como fazem outras madeiras. Como não influencia muito na vibração, é muito comum que seja parafusado ao invés de colado.

Braço em Maple

Mogno

Madeira muito escura, usada com freqüência se o corpo também é de mogno mas isso não é uma regra. Altera o som, com destaque para as frequências graves e médio, limitando as frequências agudas. Além disso, produz um som menos percussivo e com ataque menos pronunciado do que o maple.

Braço em Mogno

Madeiras utilizadas na contrução da escala

Maple

Esta madeira quando usada na escala altera o som, especialmente enfatizando os agudos, médio-agudos e em grande parte negando as frequências graves (som "estalado"). Tem um som muito percussivo e sempre utilizada em "one piece" (braço e escala em uma peça só). É uma das mais utilizadas ao lado do Rosewood.

Escala em Maple

Rosewood

Apresenta som "quente" e cheio, menos agudo, ao contrário da crença popular. Tem características sonoras semelhantes às do mogno. Outra vantagem é que por ser uma madeira com óleo natural, permite um acabamento fino, trazendo mais sensação na mão e fazendo com que seja muito apropriado para guitarristas com grande sensibilidade.

Escala em Rosewood

Ébano


Semelhante ao maple, mas ao contrário dela o seu impacto sobre o som é fundamental. Ressalta muito determinadas frequências, apresenta som brilhante, destaca o ataque da palheta, gera mais sustain que o maple, mas não é típica de guitarra de gama baixa.

Escala em Ébano

Feedback e Sustain

O feedback é, essencialmente, a presença de um loop de som quando a guitarra é amplificada, causando aumento da vibração das cordas. O som desta vibração então é ainda mais ampliado, dando continuidade ao ciclo e resultando num som distorcido. Normalmente a fonte do feedback é o amplificador, mas em casos de guitarras acústicas, a saída do amp ressoa no próprio corpo da guitarra. Para muitos estilos musicais o feedback é indesejável, mas também tem sido usado como um efeito incrível por guitarristas como Jimi Hendrix e Kurt Cobain.

Já o sustain é apenas uma maneira elegante de dizer quanto tempo uma nota permanecerá audível após ser tocada. O sustain depende de quanto o corpo e a madeira de sua guitarra podem ressoar o som. Normalmente, as guitarras de corpo sólido apresentam maior sustain, mas muitos pedais e amplificadores são construídos com a finalidade de aumentar este efeito. Alguns guitarrístas preferem longo sustain para certos gêneros.

Captadores

Outro fator importante no som de uma guitarra é o captador. Simplificando, o captador é um imã envolvido com uma bobina de fio que recebe a vibração das cordas e os converte em sinal elétrico que pode ser amplificado como um som.Existem dois principais tipos de captadores: single coil e humbucker.

Captadores single coil são compostos de uma única bobina de fio e representam a forma mais simples de tecnologia. Produzem um som brilhante, enérgico, com a desvantagem de que eles tendem a produzir uma grande quantidade de ruído. Uma maneira de combater isso é usando o captador P90, que utiliza uma única bobina que é maior do que o single coil tradicional, aumentando a quantidade de área das cordas que o captador pode ouvir. O resultado é um som maior, mais maçante do que o tradicional single coil.

Single Coil

 Já o outro principal tipo de captador é o humbucker. O projeto consiste em dois captadores single coil agrupados, o que cria um tom mais poderoso, mais rico, que é livre de ruído extra. Embora possa parecer que os humbuckers são a melhor opção, muitos guitarristas preferem single coils devido ao seu tom mais brilhante e com "punch".
Humbucker

Para mais informações sobre captadores clique aqui.

Tipos pontes

A ponte é a peça que ancora as cordas e ajuda a transferir a sua vibração para o corpo da guitarra. Influencia em muitos aspectos com destaque para a afinação, confiabilidade e tocabilidade da guitarra. Não vamos nos aprofundar em todos os tipos de pontes existentes, mas veremos os principais.

Ponte fixa tune-o-matic

Tradicional e firmemente fixada ao corpo da guitarra. O design é típico das guitarras Gibson e não utiliza uma alavanca. O mais positivo é que não há nenhum problema para utilizar em diferentes afinações é de fácil ajuste e manutenção.


Ponte tremolo Stratocaster (Synchronized)

Esta é uma inovação feita pela Fender em pontes fixas, o que seria a semente  da posterior Floyd Rose. A ponte tremolo tem molas na tampa traseira que lhe permite mover-se, como no caso de uma Floyd Rose, mas uma vez que não flutua e por ser parafusada no corpo da guitarra, esta ponte só pode fazer um tipo de movimento, movendo-se de maneira que a afinação da guitarra seja abaixada. Geralmente apresenta uma estabilidade muito alta, quase como a ponte fixa, não apresentando problemas de afinação mesmo com o uso da alavanca.


Ponte Floyd Rose

Está entre os tipos de pontes mais populares da atualidade. Tem como maior vantagem o duplo sistema de travamento, o que permite que o instrumento mantenha-se afinado por mais tempo e de maneira muito precisa. Deve-se tomar MUITO cuidado com modelos de baixa gama (Licensed), já que perdem muito em qualidade e estabilidade. É apoiada aos pivôs laterais e equilibrada pela tensão das cordas e molas traseiras, sem encostar no corpo. Devido a isso, pode ser movimentada para cima ou para baixo através da alavanca conseguindo assim muitos efeitos. Foi mundialmente popularizada por guitarristas como Van Halen, Satriani e Steve Vai.


Para mais informações sobre pontes Floyd Rose clique aqui.

Ponte Bigsby

Amplamente utilizada para Rock'n'Roll e Rockabilly, são marca registrada das guitarras Gretsch. Ao contrário das pontes tune-o-matic, a bigsby permite o uso de uma alavanca, mas a mudança no tom das cordas é sutil e não cria efeitos exagerados como na Synchronized.


Que tipo de som você procura? 

Isso não quer dizer que você precise de uma guitarra específica para cada gênero. Se você quer uma maior gama de tons para diferentes gêneros, uma guitarra de corpo sólido é uma boa aposta. Há também uma série de guitarras no mercado que incluem tanto humbucker como single coil, possibilitando ainda mais opções de sons. Les Paul e Stratocaster são modelos muitos versáteis, por isso a grande popularidade. Sim, são muito diferentes entre si, mas com o equipamento adicional correto (amp e pedais) você pode conseguir uma imensa variedade de sons.

Quanto quer gastar ?

Neste aspecto, as guitarras são parecidas aos carros. Gastando mais dinheiro, você pode obter maior desempenho por meio de especificações diferentes e acabamentos. O dinheiro extra normalmente vai para pagar por melhores partes, como madeira de melhor qualidade, um acabamento mais agradável, hardware superior e inlays (marcações no braço) mais extravagantes. Algumas destas especificações podem alterar o som ou simplesmente ajudar na tocabilidade.

Por exemplo, o mesmo corte de guitarra de álamo (tipo de madeira) não soará tão bom quanto um corte de alder. Melhores tarraxas significam que sua guitarra perderá a afinação com menos frequência. Algumas guitarras oferecerão recursos que outras não. Faça sua pesquisa e coloque na ponta do lápis o que você precisa versus o que você simplesmente quer.